A Verdadeira História por trás do filme: Sempre ao seu Lado | Hope In Love
Tecnologia do Blogger.

A Verdadeira História por trás do filme: Sempre ao seu Lado

Richard Gere protagonizou há alguns anos um filme(remake) que conta a história de um professor e seu cão, que emocionou pessoas de todo o mundo. Ambos tinham uma afeição fora do comum, confirmando que o cão pode realmente ser o melhor amigo do homem.

Imagem Divulgação: Site Imagem Filmes
O filme recebeu o título em português de Sempre ao seu Lado (2009). Parker, interpretado por Gere, é um professor universitário que encontra um cachorro perdido na estação de trem que passava diariamente para ir a universidade onde trabalhava. Cativado pelo cão, Parker o leva para casa, na intenção de encontrar alguém que o adote. Contudo, ele se apega cada vez mais ao cachorro, cujo nome é Hachi (8, em japonês). Veja o Trailer Oficial Legendado.


Hachi o segue todos os dias até a estação de trem e o espera no fim da tarde, quando retorna. Um dia, contudo, isso não acontece: o professor tem um ataque cardíaco fulminante em sala de aula, levando-o à morte, e jamais retorna à estação de trem. Hachi passa a esperá-lo todos os dias no mesmo horário na estação  por anos, até morrer. O que é mais comovente nesta história de amor incondicional é que ela é real.

Imagem Divulgação: Site Imagem Filmes


A verdadeira história japonesa


Hachi na verdade se chamava Hachiko e nasceu na província de Akita – que também dá origem ao nome de sua raça - no Japão, em novembro de 1923. Em 1924, Hachiko foi adotado pelo Dr. Eisaburo Ueno, professor do Departamento Agrícola da Universidade de Tóquio. Os cães da raça Akita são especiais, conforme as tradições japonesas: Eles são fiéis ao extremo e geralmente “escolhem” o dono.

Imagem Divulgação: Site Imagem Filmes
Dr. Eisaburo passou a amá-lo de imediato. Como morava em Shibuya, no subúrbio de Tóquio, perto da estação de trem, Hachiko o acompanhava todas as manhãs até a estação, retornando sempre às 15 horas, todos os dias, para recepcioná-lo.

Imagem Divulgação: Site Imagem Filmes
Porém, em 21 de maio de 1925, o professor Ueno sofreu um AVC durante uma reunião na faculdade e veio a falecer. Hachiko passou a esperá-lo na estação todos os dias, sem ceder. A viúva do professor doou Hachiko a parentes de outra região de Tóquio, mas o cão fugiu e retornou à estação de Shibuya e à sua antiga casa. Todos os dias, esperava o seu falecido dono no mesmo horário e no mesmo local. Como não o encontrava entre os passageiros, passava horas aguardando, só indo embora quando tinha muita fome. Com o tempo, os passageiros e funcionários da estação passaram a levar petiscos e comida, assim que sabiam da história de Hashiko.

Imagem Divulgação: Site Imagem Filmes

Muitos anos se passaram e a saúde do cão não era mais a mesma – tinha sarna, machucados de brigas, desnutrição e outras doenças. Em 1929, um dos alunos do Professor Eisaburo encontrou Hachiko na estação. Descobriu a sua história por intermédio de seus novos donos, a família do jardineiro dos parentes do professor, que o adotaram após a sua morte. O aluno publicou diversos artigos sobre a história de Hashiko e constatou ainda que ele era um dos 30 akitas puro sangue de todo o Japão.

A história de Hachiko virou um artigo de Asahi Shinbun, publicada em um dos principais jornais do país em setembro de 1932. A história se espalhou por todo o Japão e hoje faz parte do imaginário das crianças e adultos japoneses sobre o amor incondicional.

Em 21 de abril de 1934, foi erguida uma estátua de bronze de Hachiko, esculpida pelo escultor Teru Ando, e atualmente se encontra no portão de bilheteria da estação de Shibuya.





Hachiko morreu em 8 de março de 1935, com idade de 11 anos na estação onde sempre esperou pelo professor e amigo. Ele aguardou o retorno do Dr. Eisaburo por nove anos e dez meses. Os ossos do cão foram enterrados na sepultura do professor Ueno. A sua pele serviu para que fosse empalhado e ficou em exibição no Museu Nacional da Ciência do Japão. Durante a Segunda Guerra, a estátua embalsamada se perdeu. Com o tempo e a popularidade da história de Hachiko, a raça Akita se tornou Patrimônio Nacional no Japão.
Compartilhe no Google Plus

Sobre Anna Vlis

Anna Vlis (Silvana), tenho 35 anos, sou mãe, amiga e blogueira, apaixonada por pessoas que transpiram bondade,amor e honestidade,completamente fã dos meus filhos, ávida por boa leitura e filmes. Extremamente sonhadora. Cheia de defeitos e manias e sempre com um sorriso nos lábios. Eternamente grata ao meu maior amor, Jesus. Beijinhos lilás S2
    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

32 comentários:

  1. DEMOREI MUITO,MAS CONSEGUI COMPRAR ESSE FILME EMOCIONATE EVERDADEIRO.TODA VEZ QUE ASSISTO EU CHORO.

    ResponderExcluir
  2. Quando eu assisti esse filme ainda estava me recuperando da morte da minha Suzy, ela morreu perto de completar 13 anos e era assim como o Hachi, gênio forte. A historia desse filme é muito linda e emocionante.
    Obrigada pelas informações sobre o verdadeiro Hachi Anna, gostei muito de saber, estou com os olhinhos marejados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma história incrível,esse amor emociona e inspira. Sinto muito por sua perda, que bom que em sua vida pode ter a Suzy que com certeza lhe deu muito amor e recebeu também. Obrigada por seu comentário, bjinhosss

      Excluir
  3. HOMENAGENS LINDAS E MERECIDAS SOBRE DOIS AMIGOS TÃO ESPECIAIS!

    ResponderExcluir
  4. Só de ver o trailer já chorei.

    ResponderExcluir
  5. Por causa desse filme hoje tenho uma Akita, e ela é fuito fiel!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo André, muitos bjinhoss para sua Akita <3.

      Excluir
  6. Eu me recuso a assistir esse filme novamente, simplesmente fiquei doente, estou digitando e chorando.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente maravilhoso Marines, um amor grande e sincero, não tem como não se emocionar! <3

      Excluir
  7. Este filme só prova o quanto nós seres humanos temos que melhorar, é um grande exemplo de lealdade, o filme é muito, muito, muito emocionante.

    ResponderExcluir
  8. Melhor filme de todos os tempos, depois de ver tenho vontade de ter um cachorro fiel como esse

    ResponderExcluir
  9. A maior prova de amor incondicional... Lindo o filme, emociona todas as idades, assisti junto com o meu filho q na época tinha 9 anos, meu sobrinho q tinha 5 minha vozinha com 68 e eu e minha irma, enfim, nao teve quem nao chorou de soluçar, meu filho e meu sobrinho tiveram crise de choro q custou cessar.... Enfim... Amor demais!!

    ResponderExcluir
  10. Achei extremamente criativo seu "alias": Anna Vlis. Nunca teria pensado nisto!!!

    ResponderExcluir
  11. Muito emocionante, tenho certeza que Deus concedeu um reencontro pra eles.

    ResponderExcluir
  12. Muito lindo, já assisti varias vezes e não me canso!

    ResponderExcluir
  13. Eu não consigo assisti de novo este filme que eu choro muito. Eu achei a historia linda ,porém fico triste.

    ResponderExcluir
  14. Ah, esse filme, o quanto nos ensina! Para mim é uma demonstração clara de como Deus colocou seu caráter em cada animal e em cada ser na natureza, os cães, em sua essência, tem uma fidelidade tão imensa, como no caso de Hachiko,que nos faz pensar os valores que damos para tudo ao nosso redor. Os cristãos são fiéis de fato ao Deus que servem? Buscamos a honestidade, respeito, sinceridade, humildade, amor e compaixão pelo nosso semelhante? Se você é um cristão, ou mesmo pertence a outra prática religiosa, ou ateísmo ou ceticismo, eu lhe pergunto: Tens demonstrado amor? (I Coríntios 13:1-13)

    ResponderExcluir
  15. FILME E DRMAIS MARAVILHA...CACHORRO LINDO TAMBÉM FILME

    ResponderExcluir
  16. ja vi esse várias vezes...Não tem como Não emocionar! ESPETACULAR!!

    ResponderExcluir
  17. E´ um belissimo filme que conta a historia entre um cão e seu dono. serve de exemplo para nós que muitas vezes desprezamos nosso melhor amigo.Devemos preservar esse filme para as proximas gerações. obrigada

    ResponderExcluir
  18. pena que ninguém ama assim, mesmo eu dando valor :(

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário! Isso me incentiva a postar sempre.

Não deixe link de blogs em seu comentário, para isso pode comentar como nome/url e deixar o link do seu blog. Bjinhos lilás <3