A história por trás do filme Clube de Compras Dallas | Hope In Love
Tecnologia do Blogger.

A história por trás do filme Clube de Compras Dallas


Há algumas décadas atrás, grande parte dos maiores tabus dentro da sociedade eram vítimas de grande preconceito, como a homossexualidade e a aids. Dentro deste âmbito, o filme Clube de Compras Dallas proporciona uma grande reflexão sobre estes dois temas ao contar a história real de Ron Woodroof, um cowboy drogado e homofóbico acometido pela doença por seus excessos. Para tentar sobreviver ele abriu mão de seus preconceitos, e sua luta contra a indústria farmacêutica serve de inspiração até hoje.


Uma trajetória incrível


Tanto no filme como na vida real, Woodroof era texano e trabalhava como eletricista, e os rodeios eram sua maior paixão. Após sofrer um pequeno acidente em seu trabalho, o homem vai para o hospital e descobre uma terrível verdade: ele é HIV positivo e sua expectativa de vida é de 30 dias. Desesperado, o cowboy por hobby parte em busca de sua sobrevivência, primeiro com a droga experimental AZT e depois indo até o México para se encontrar com um renomado médico que está pesquisando uma cura.

A partir daí a história deste homem se torna cada vez mais fascinante. Querendo inicialmente ajudar só a si mesmo, Woodroof começa a traficar os remédios e vitaminas necessárias para estabilizar o vírus, mas logo começa a revende-los a outros soropositivos e cria o famoso clube de compras Dallas, título do filme. Com isto, alguns aspectos vitais de sua trajetória se tornam evidentes, como o seu ativismo não proposital e sua luta contra as indústrias farmacêuticas que distribuíam drogas mortais para os doentes.


Por que vale a pena assistir a esta história?








Mesmo que seja um filme, saber que este emblemático personagem realmente existiu e que os últimos anos de sua vida foram dedicados a ajudar outras pessoas com o mesmo problema é verdadeiramente inspirador. Aos poucos, o homem mesquinho e preconceituoso aprende que há coisas mais importantes na vida do que drogas e mulheres, e consegue dar mais valor para a vida, tanto a sua quanto a das pessoas ao seu redor. Devolver a esperança para outros soropositivos dá um novo propósito a sua existência.

Outro fator de grande importância são os processos que Woodroof sofreu pelas indústrias farmacêuticas, pois não aceitavam o fato dele oferecer tratamentos alternativos que não lhes davam retorno financeiro. Como seus 30 dias de vida viraram sete anos, o homem teve tempo de viajar pelo mundo todo em busca de nutrientes e vitaminas que ajudassem os soropositivos. Assim, ele acabou sendo responsável pela criação da base de remédios usadas até hoje na terapia de pessoas acometidas pelo vírus.

Lições de vidas valiosas


O Clube de Compras Dallas certamente levanta uma série de questionamentos importantes para todos os que assistirem, e seu protagonista cumpre o seu papel com sucesso. Aprender a dar valor a vida e ajudar os outros é algo que todos deveriam fazer. E para alguém como este homem, que viveu em uma época na qual tudo era permitido e não havia espaço para o bom senso, esta é uma tarefa ainda mais difícil. Por isto este filme é uma grande lição de vida.




Compartilhe no Google Plus

Sobre Anna Vlis

Anna Vlis (Silvana), tenho 35 anos, sou mãe, amiga e blogueira, apaixonada por pessoas que transpiram bondade,amor e honestidade,completamente fã dos meus filhos, ávida por boa leitura e filmes. Extremamente sonhadora. Cheia de defeitos e manias e sempre com um sorriso nos lábios. Eternamente grata ao meu maior amor, Jesus. Beijinhos lilás S2
    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

5 comentários:

  1. parei no "homossexualismo", bora se informar mais meu povo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Peço desculpas pelo erro, já foi corrigido.

      Excluir
  2. A moça escrever homossexualismo não foi um desvio de caráter, foi só uma falha textual. O contexto mostra isso por si só. O povo também é paranoico demais... A patrulha do "ai... Sou uma bicha e todo mundo quer me fazer sofrer" tem que reduzir a velocidade. P. S. : EU também sou homossexual e nem por isso fico nessa nóia toda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assino embaixo!é muita frescura, td agora é preconceito, racismo, injuria, hj em dia não se pode nem brincar com o tema que as pessoas se ofendem, querer te processar, o mundo seria muito melhor se a tolerância, a paciência e o amor perdurasse!

      Excluir

Obrigada por seu comentário! Isso me incentiva a postar sempre.

Não deixe link de blogs em seu comentário, para isso pode comentar como nome/url e deixar o link do seu blog. Bjinhos lilás <3